LITERATURA BRASILEIRA

Textos literários em meio eletrônico

Obra Poética de Gregório de Matos


Edição de Referência:

Obra Poética, de Gregório de Matos, 3ª edição,

Editora Record, Rio de Janeiro, 1992.

 

 

 

 

OS SEUS DOCES EMPREGOS

HUMA GRACIOSA MULATA FILHA DE OUIBA CHAMADA MARICOlTA COM QUEM O POETA SE TINHA DIVERTIDO, E CHAMAVA AO FILHO DO POETA SEU MARIDO.

A MESMA CUSTODIA MOSTRA A DIFFERENÇA QUE HA ENTRE AMAR, E QUERER.

À MESMA DAMA.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OS SEUS DOCES EMPREGOS

 

 

CUSTÓDIA

 

Graciosa Mulata filha de outra chamada
Maricotta

Manuel Pereira Rabelo, licenciado

 

que eu não vi Mulata ainda
que me desse tanto abalo

Oh se verdade fosse, o que sonhava!
 
 

 

  HUMA GRACIOSA MULATA FILHA DE OUIBA CHAMADA MARICOlTA COM QUEM

O POETA SE TINHA DIVERTIDO, E CHAMAVA AO FILHO DO POETA SEU MARIDO.

 
 

1    Por vida do meu Gonçalo,
      Custódia formosa, e linda,
      que eu não vi Mulata ainda,
      que me desse tanto abalo:
      quando vos vejo, e vos falo,
      tenho um pesar grande, e vasto
      do impedimento, que arrasto,
      porque pelos meus gostilhos
      fora eu Pai dos vossos Filhos
      antes que vosso Padrasto.

 

2    Odiabo sujo, e tosco
      me tentou como idiota
      a pecar com Maricota,
      para não pecar convosco:
      mas eu sou homem tão osco,
      que a ter notícia por fama,
      que lhe mamastes a mama,
      e eu tinha tão linda Nora,
      então minha sogra, fora,
      e não fora minha Dama.

 
 

3    Estou para me enforcar,
      Custódia, desesperado,
      e o não tenho executado,
      porque isso é morrer no ar:
      quem tanto vos chega amar,
      que quer por mais estranheza
      obrar a maior fineza
      de morrer, porque a confirme,
      morra-se na terra firme,
      se quer morrer com firmeza.

 
 

4    Já estou disposto d'agora
      a meter-vos num batel,
      e dar convosco em Argel
      por casar com minha Nora:
      não vos espante, Senhora,
      que me vença tal furor,
      que eu sei, que em todo o rigor
      o mesmo será, e mais é
      ir ser cativo em Salé,
      que ser cativo do Amor.

 

 

 

 

A MESMA CUSTODIA MOSTRA A DIFFERENÇA

QUE HA ENTRE AMAR, E QUERER.

 
 

Sabei, Custódia, que Amor
inda que tirano, é rei,
faz leis, e não guarda lei,
qual soberano Senhor.
 

E assim eu quando vos peço,
que talvez vos chego a olhar,
as leis não posso guardar,
que temos de parentesco:
 

Que vossa boca tão bela
tanto a amar-vos me provoca,
que por lembrar-me da boca,
me esqueço da parentela.
 

Mormente considerada
vossa consciência algum dia,
que nenhum caso faria
de ser filha, ou enteada.
 

Dera-vos pouco cuidado
então ser eu vosso assim,
e anda hoje para mim
vós, e o mundo concertado
 

Mas eu amo sem confiança
nos prêmios do pertendente,
amo-vos tão puramente,
que nem peco na esperança.
 

Beleza, e graciosidade
rendem à força maior,
mas eu se vos tenho amor,
tenho amor, e não vontade.
 

Como nada disso ignoro,
quisera, pois vos venero,
que entendais, que vos não quero,
e saibais, que vos adoro.
 

Amar, e querer, Custódia;
soam quase o mesmo fim,
mas diferem quanto a mim,
e quanto à minha paródia.
 

O querer é desejar,
a palavra o está expressando:
quem diz quer, está mostrando
a cobiça de alcançar.
 

Vi, e quis, segue-se logo,
que o meu coração aspira
o lograr o bem, que vira,
dando à pena um desafogo.
 

Quem diz, que quer, vai mostrando,
que tem ao prêmio ambição,
e finge uma adoração
um sacrilégio ocultando.
 

Vil afeto, que ao intento
foge com néscia confiança,
pois guia para a esperança
os passos do rendimento.
 

Quão generoso parece
o contrário amor: pois quando
está o rigor suportando,
nem penas crê, que merece.
 

Amar o belo é ação
que toca ao conhecimento
ame-se co entendimento,
sem outra humana paixão.
 

Quem à perfeição atento
adora por perfeição
faz, que a sua inclinação
passe por entendimento.
 

Amor generoso tem
o amor por alvo melhor
sem cobiça, ao que é favor,
sem temor, ao que é desdém.
 

Amor ama, amor padece
sem prêmio algum pertender,
e anelando a merecer
não lhe lembra, o que merece.
 

Custódia, se eu considero,
que o querer é desejar,
e amor é perfeito amar,
eu vos amo, e não vos quero.
 

Porém já vou acabando,
por nada ficar de fora
digo, que quem vos adora,
vos pode estar desejando.

 


 

À MESMA DAMA.

 

 

Ai, Custódia! sonhei, não sei se o diga:
Sonhei. que entre meus braços vos gozava.
Oh se verdade fosse, o que sonhava!
Mas não permite Amor, que eu tal consiga.
 

O que anda no cuidado, e dá fadiga,
Entre sonhos Amor representava
No teatro da noite, que apartava
A alma dos sentidos, doce liga.
 

Acordei eu, e feito sentinela
De toda a cama, pus-me uma peçonha,
Vendo-me só sem vós, e em tal mazela.
 

E disse, porque o caso me envergonha,
Trabalho tem, quem ama, e se desvela,
E muito mais quem dorme, e em falso sonha.

 

 

 

 

  

Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Lingüística

 

Apoio

CNPq / CAPES

UFSC / PRPG